I SENNEM

A Formação Docente tem provocado estudos e pesquisas na perspectiva de compreender as concepções e práticas de professores em exercício na Educação Básica e Superior e em processos de formação inicial e continuada, considerando que esse processo ocorre da interação do indivíduo com o meio.

Nesse sentido, a proposta do I Seminário Nacional de Neurociência e Educação Matemática, foi pensado em meio às inquietações de professores formadores e estudantes do Instituto de Educação Matemática e Científica – IEMCI da Universidade Federal do Pará, dos cursos de Graduação e Pós-Graduação, das experiências e das práticas que direcionam para a importância do desenvolvimento de ações interdisciplinares que possibilitam reflexões acerca dos processos de desenvolvimento das habilidades cognitivas em processo de formação inicial e continuada de professores para a Educação Básica e Superior, na perspectiva de trazer contribuições para a formação profissional de todos os envolvidos nesta proposta.

Público esperado: professores da Educação Básica e do Ensino Superior; pesquisadores e interessados sobre o tema neurociências e educação matemática; estudantes de Licenciaturas; Estudantes de Pós-Graduação e demais profissionais da educação com interesse no tema em questão.

Período: 29 a 31 de março de 2017.

Local: Auditório do Instituto de Educação Matemática e Científica – IEMCI (Próximo ao 1º portão).

Atividades oferecidas: Mesa redonda, palestra, conferência e minicursos.

Clique aqui para mais informações

Pesquisa em Educação Matemática e Educação Hospitalar

No dia 30 de novembro 2016, aconteceu mais uma defesa de mestrado do Grupo Ruaké (Grupo de Pesquisa em Educação em Ciências, Matemáticas e Inclusão) do Instituto de Educação Matemática e Científica (IEMCI) da Universidade Federal do Pará (UFPA). A pesquisa “Educação matemática em uma classe hospitalar: relações, enredamentos e continuidades” foi desenvolvida por Eunice Maria Figueira Cajango até então mestranda do Programa de Pós-graduação em Educação em Ciências e Matemática (PPGECM), foi orientada pelo Prof. Dr. Elielson Ribeiro de Sales, pesquisador do Grupo Ruaké, e representa um marco, pois pela primeira vez um Grupo de Pesquisa do IEMCI, apresenta os resultados de suas interações acadêmicas e científicas em classes hospitalares.

RESUMO
O eixo central da pesquisa surgiu da proposta de dirigir o olhar ao cenário que compõe o contexto da educação em ambientes hospitalares, para investigar se ações relacionadas à educação matemática em classes hospitalares podem ou não contribuir para o bem-estar dos educandos, bem como favorecer a continuidade de estudos após ou mesmo durante o tratamento médico. A pesquisa tem como referencial teórico a cognição embodied, a partir da perspectiva de Luis Radford. A metodologia adotada é de abordagem qualitativa, e os dados foram obtidos por meio de entrevistas e atividades de educação matemática realizadas em um espaço anexo à Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, destinado ao acolhimento de pessoas em tratamento de saúde em Belém/PA, com nove educandos, na faixa etária de onze a cinquenta e sete anos, com níveis de escolaridade compreendidos entre o Ensino Fundamental e o Ensino Médio. O registro dos dados se deu a partir de anotações em caderno de campo, áudios e filmagens das atividades desenvolvidas. Houve também entrevistas com pais, alunos e professoras, no intuito de coletar informações sobre um pouco do percurso de cada aluno observado. A discussão dos dados é estruturada de modo a atender a dois aspectos: a importância das relações dialógicas configuradas no ambiente da classe para o bem-estar e o envolvimento dos participantes ao longo do processo educacional e a constituição embodied de conhecimentos apresentada pelos educandos em relação aos temas propostos. A apresentação dos resultados está distribuída em dois temas: composições referentes à geometria básica e significações acerca de medidas-padrão para comprimento e distância. As considerações finais afirmam a importância do acompanhamento docente em matemática a educandos em tratamento de saúde, de modo a concorrer para a garantia de continuidade no seu processo educativo. Compreendemos ainda que foram evidenciados indícios acerca da relevância de atividades que assumam aspectos embodied na constituição de conhecimentos matemáticos. Destacamos a necessidade de fortalecimento da parceria entre universidade e ambiente educacional hospitalar, com vistas à produção de novas pesquisas que contribuam para ampliar e fortalecer o debate acerca de políticas públicas para educandos nessa situação. Por fim, sugerimos a proposição e o desenvolvimento de investigações acerca dos processos educacionais nas unidades escolares que recebem educandos durante ou após o tratamento de saúde, com vistas a amparar reflexões na perspectiva inclusiva de acesso democrático e universalizado ao sistema educacional.

Palavras-chave: Embodied Cognition em Educação Matemática. Educação Matemática e Classe Hospitalar. Ensino e Aprendizagem de Matemática. Educação Matemática e Inclusão.

Universidade Federal do Pará
Instituto de Educação Matemática e Científica
Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemáticas
Pesquisa: Dissertação de Mestrado
Título: Educação matemática em uma classe hospitalar: relações, enredamentos e continuidades
Autor: Eunice Maria Figueira Cajango
Orientador: Prof. Dr. Elielson Ribeiro de Sales.
Ano: 2016

Pesquisa em Educação Matemática e Educação de Cegos

No dia 2 de setembro de 2016, aconteceu a primeira defesa de doutorado no Grupo Ruaké. A tese “O Ensino de Números  Decimais  em uma Classe Inclusiva  do Ensino Fundamental: uma proposta de metodologias  visando à inclusão”, desenvolvida por Marcelo Marques de Araújo, até então doutorando PPGECEM/REAMEC/UFMT/UFPA, foi orientado pelo Prof. Dr. Elielson Ribeiro de Sales, pesquisador do Grupo Ruaké, e representa um marco no Instituto, pois é a primeira pesquisa de doutorado concluída, no Grupo, com discussões relacionadas à Educação Matemática e Educação de Cegos.

RESUMO
O presente estudo teve como objetivo investigar quais as contribuições de metodologias de ensino e aprendizagem das operações aditivas com números decimais voltadas a educação de alunos de uma classe inclusiva no terceiro ciclo do Ensino Fundamental. A pesquisa foi desenvolvida com 10 participantes, sendo dois docentes, um professor de matemática da turma investigada e outro que atendia na sala de recursos, e oito discentes participantes de uma turma inclusiva do município de Belém (PA), sendo um deles era deficiente visual. A pesquisa se efetivou em seis meses e constou de um período de observação das aulas de matemática e demais disciplinas da classe investigada com uma duração de dois meses, além de ter contado com a aplicação de uma entrevista semiestruturada com os dois docentes e a discente com deficiência visual da turma investigada, aplicação de questões de sondagem e aplicação de questões de verificação da acomodação do conteúdo trabalhado após o período de uso das metodologias empregadas com os discentes participantes da investigação. A pesquisa teve a abordagem qualitativa e utilizou como metodologia a pesquisa-ação, tendo a aplicação de duas metodologias de intervenção: o uso do software MusiCALcolorida e o uso do Tabuleiro de Decimais, a fim de entendermos quais os aspectos propositivos destas duas ferramentas ao processo de ensino e aprendizagem dos números decimais aditivos direcionados aos discentes com deficiência visual e sem deficiência. Os resultados obtidos pela pesquisa demonstraram que o uso do software MusiCALcolorida e do Tabuleiro de Decimais foram propositivos não só para o aprendizado e compreensão dos números decimais em operações aditivas com o discente com deficiência visual, bem como para os demais alunos participantes sem deficiência visual. Assim, a análise dos dados demonstrou que houve relevante aumento da compreensão nas operações aditivas com os números decimais em media de 60% pelos discentes no aproveitamento da compreensão e operação do referido assunto matemático, além de representar um fortalecimento da interação e socialização entre os discentes como uma ferramenta para diminuir o processo de segregação e incidir na conquista de caminhos voltados à inclusão dos discentes com a questão da valorização e enriquecimento da percepção do aluno com necessidades educativas especiais junto à turma pesquisada.

Palavras-chave: Números Decimais. Calculadora Musical. Tabuleiro de Decimais. Deficiência Visual. Inclusão.

Universidade Federal do Mato Grosso / Universidade Federal do Pará
Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática
Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática – REAMEC
Pesquisa: Tese de Doutorado
Título: O Ensino de Números  Decimais  em uma Classe Inclusiva  do Ensino Fundamental: uma proposta de metodologias  visando à inclusão
Autor: Marcelo Marques de Araújo
Orientador: Prof. Dr. Elielson Ribeiro de Sales
Ano: 2016

Pesquisa em Educação Matemática e Educação Inclusiva

No dia 29 de junho de 2016, aconteceu mais uma defesa de mestrado no Grupo Ruaké. A dissertação “Educação matemática e educação especial: reflexões sobre os relatos de experiências docentes de professores de matemática”, desenvolvida por Karem Keyth de Oliveira Marinho, até então mestranda PPGECM/IEMCI/UFPA, foi orientada pelo Prof. Dr. Elielson Ribeiro de Sales, pesquisador do Grupo Ruaké. A pesquisa apresenta dados importantes acerca da prática docente, formação inicial e continuada de professores do município de Tabatinga no estado do Amazonas.

RESUMO

Um dos maiores desafios educacionais da atualidade é tornar a escola um espaço inclusivo capaz de atender seus educandos a partir do reconhecimento e respeito de suas singularidades. E para a concretização desse espaço temos o professor com um relevante papel visto a possibilidade de desenvolver um ensino inclusivo em sala de aula. No entanto, se tratando de Educação Matemática há a necessidade de investigar como se dá a atuação do professor de Matemática visto que as poucas discussões dessa temática podem influenciar suas práticas pedagógicas. Fato este vivenciado na trajetória acadêmica e profissional da autora deste estudo. Assim sendo, objetivamos nesta pesquisa refletir sobre os relatos de experiências vivenciadas e narradas pelos professores de Matemática, atuantes em Tabatinga – AM, sobre o processo de inclusão de alunos com deficiência em salas comuns de escolas regulares. E, consequentemente, responder a nossa questão de pesquisa enunciada como: Quais os reflexos das experiências de professores de Matemática no ensino de Matemática de alunos com deficiência? Para tanto nossos pressupostos teóricos e legais estão fundamentados em documentos nacionais e internacionais, em estudos voltados para a prática do docente em uma perspectiva inclusiva. Quanto ao delineamento metodológico do estudo, realizamos, por meio de uma abordagem qualitativa, entrevistas com os professores de Matemática atuantes na rede pública de ensino do município de Tabatinga-AM, egressos do curso de Licenciatura em Matemática do Centro de Estudos Superiores de Tabatinga da Universidade do Estado do Amazonas e as analisamos por meio de categorias construídas a partir das narrativas dos professores, e considerando os direcionamentos apontados no roteiro da entrevista. Diante dos resultados, percebemos que a falta de conhecimentos acerca da Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva e apoio por parte da escola são os principais fatores que dificultam a realização de práticas pedagógicas. A formação inicial e continuada foi outro aspecto muito comentado pelos docentes que além de sugerirem mais discussões sobre a temática ainda se mostraram motivados e interessados a participar de formações que contemplem esses conhecimentos. Ainda assim, vimos que alguns professores realizam práticas inclusivas em suas aulas de Matemática, no entanto recomendamos que se oportunizem mais ações na formação inicial e continuada, e que o apoio escolar seja mais efetivo tanto para o professor quanto para o aluno.

Palavras-chave: Educação Matemática e Inclusão. Ensino de Matemática. Educação Especial. Formação de Professores.

Universidade Federal do Pará
Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemáticas
Instituto de Educação Matemática e Científica
Pesquisa: Dissertação de Mestrado
Título: Educação matemática e educação especial: reflexões sobre os relatos de experiências docentes de professores de matemática
Autor: Karem Keyth de Oliveira Marinho
Orientador: Prof. Dr. Elielson Ribeiro de Sales
Ano: 2016

Pesquisa em Educação Matemática e Educação de Cegos

No dia 23 de março de 2016, aconteceu mais uma defesa de mestrado no Grupo Ruaké. A dissertação “A leitura tátil e os efeitos da desbrailização em aulas de matemática”, desenvolvida por Marcos Evandro Lisboa de Moraes, até então mestrando PPGECM/IEMCI/UFPA, foi orientado pelo Prof. Dr. Elielson Ribeiro de Sales, pesquisador do Grupo Ruaké, e representa um marco no Instituto, pois é a primeira pesquisa concluída, no Grupo, com discussões relacionadas à Educação Matemática e Educação de Cegos.

RESUMO
A pesquisa aborda os meios de utilização do Código Braille, a fim de que o aluno deficiente visual se aproprie de estruturas de matemática para utilização de elementos de matemática, a partir de matemática em Braille. Discorre sobre a questão: Quais os desdobramentos dos efeitos de desbrailização em aulas de matemática para uma aluna cega do ensino fundamental? Para isso foi definido como objetivo a análise sobre os efeitos da desbrailização em aulas de matemática escolar para uma aluna cega incluída no ensino regular. Algumas mediações do professor foram necessárias a fim de que tarefas pudessem se configurar em problemas na concepção de Sophie (codinome), nossa aluna participante. Alguns instrumentos e recursos de produção de dados, como: entrevistas, filmagens, depoimentos, acompanhamentos de aula em ambiente não regular de ensino foram necessários para o desenvolvimento da pesquisa. Percebemos que para estimular o processo de ensino e aprendizagem, houve a necessidade de elaborar estratégias mais consistentes no intuito de atrair cada vez mais a participante da pesquisa, preferencialmente explorando tanto quanto possível, a percepção tátil, e neste caso, criou-se um produto didático adaptado a fim de se substancializar o estudo de ângulos, incentivando a escrita e a leitura em Braille. Os resultados mostraram a carência de preparação de materiais em Braille para alunos deficientes visuais implicando em episódios de desbrailização e a necessidade de investigações no sentido de apontar caminhos que diminuam os obstáculos enfrentados por estudantes na condição de deficiência.
Palavras-chave: Educação inclusiva; Educação especial; Educação matemática; deficiência visual; Tecnologia assistiva; Braille. Desbrailização.

Universidade Federal do Pará
Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemáticas
Instituto de Educação Matemática e Científica
Pesquisa: Dissertação de Mestrado
Título: A leitura tátil e os efeitos da desbrailização em aulas de matemática
Autor: Marcos Evandro Lisboa de Moraes
Orientador: Prof. Dr. Elielson Ribeiro de Sales.
Ano: 2016